Internet das coisas

A Internet das Coisas, mais conhecida como raio da internet das coisas (do inglês, Internet of Things) é uma revolução tecnológica a fim de conectar dispositivos eletrônicos utilizados no dia-a-dia (como aparelhos eletrodomésticos, eletroportáteis, máquinas industriais, meios de transporte, etc) à Internet[1][2], cujo desenvolvimento depende da inovação técnica dinâmica em campos tão importantes como os sensores wireless, a inteligência artificial e a nanotecnologia.

História

O conceito surgiu, em certa medida, fruto do trabalho desenvolvido pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) Auto-ID Laboratory, recorrendo ao uso do Identificação por radiofrequência (RFID) e Wireless Sensor Networks. O objetivo foi, desde o início, criar um sistema global de registro de bens usando um sistema de numeração único chamado Electronic Product Code.

Funcionamento

A tecnologia RFID que usa frequências de rádio para identificar os produtos é vista como potenciadora da Internet das Coisas. Embora algumas vezes identificada como a sucessora dos códigos de barras os sistemas RFID oferecem para além da identificação de objectos informações importantes sobre o seu estado e localização.

Estes sistemas foram primeiramente usados na indústria farmacêutica, em grandes armazéns e na saúde. As mais recentes aplicações vão dos desportos e actividades de tempos livres à segurança pessoal. Etiquetas (também chamadas de “tags”) RFID estão a ser implantados debaixo da pele humana para fins médicos e também em passaportes e cartas de condução. Leitores RFID estão também a ser incluídos em telemóveis.

Para além do RFID, a capacidade de detectar mudanças no estado físico das coisas é também essencial para registar mudanças no meio ambiente. Por exemplo os sensores usados numa peça de vestuário inteligente podem registrar as mudanças de temperatura no exterior e ajustar-se de acordo com elas.

Perspectiva-se um futuro em que poderemos usar roupa inteligente que se adapta às características da temperatura ambiente, a passagem por um sensor irá indicar-nos qual a manutenção que o nosso carro necessita, poderemos usar os óculos de sol para receber uma chamada vídeo e os cuidados médicos poderão ser prestados antecipadamente, graças a diagnósticos mais eficientes e rápidos.

RFID

A tecnologia RFID que usa frequências de rádio para identificar os produtos é vista como potenciadora da Internet das Coisas. Embora algumas vezes identificada como a sucessora dos códigos de barras os sistemas RFID oferecem para além da identificação de objectos informações importantes sobre o seu estado e localização.

Estes sistemas foram primeiramente usados na indústria farmacêutica, em grandes armazéns e na saúde. As mais recentes aplicações vão dos desportos e actividades de tempos livres à segurança pessoal. Etiquetas (também chamadas de “tags”) RFID estão a ser implantados debaixo da pele humana para fins médicos e também em passaportes e cartas de condução. Leitores RFID estão também a ser incluídos em telemóveis.

Para além do RFID, a capacidade de detectar mudanças no estado físico das coisas é também essencial para registar mudanças no meio ambiente. Por exemplo os sensores usados numa peça de vestuário inteligente podem registrar as mudanças de temperatura no exterior e ajustar-se de acordo com elas.

Perspectiva-se um futuro em que poderemos usar roupa inteligente que se adapta às características da temperatura ambiente, a passagem por um sensor irá indicar-nos qual a manutenção que o nosso carro necessita, poderemos usar os óculos de sol para receber uma chamada vídeo e os cuidados médicos poderão ser prestados antecipadamente, graças a diagnósticos mais eficientes e rápidos.

Referências

Site: https://pt.wikipedia.org/wiki/Internet_das_coisas

  1. Zambarda, Pedro (16 de Agosto de 2014). «’Internet das Coisas’: entenda o conceito e o que muda com a tecnologia». TechTudo. Consultado em 5 de Maio de 2016
  2. Ir para cima «Internet das Coisas (IoT)». SAS. Consultado em 5 de Maio de 2016
  3. Ir para cima Greengard, Samuel. The Internet of Things. [S.l.: s.n.] ISBN 978026252773

Imagem relacionada

 

 

Script squid 3 Debian

Resultado de imagem para squid3

http_port 3128
visible_hostname linux
error_directory /usr/share/squid3/errors/pt-br

acl SSL_ports port 443
acl Safe_ports port 80        # http
acl Safe_ports port 21        # ftp
acl Safe_ports port 443        # https
acl Safe_ports port 70        # gopher
acl Safe_ports port 210        # wais
acl Safe_ports port 1025-65535    # unregistered ports
acl Safe_ports port 280        # http-mgmt
acl Safe_ports port 488        # gss-http
acl Safe_ports port 591        # filemaker
acl Safe_ports port 777        # multiling http
acl CONNECT method CONNECT

# ACLS
acl sites_proibidos url_regex -i “/etc/squid3/sites_proibidos”
acl downloads_proibidos url_regex -i \.exe \.torrent \.avi \.mp3

# CONTROLE DE ACESSO
http_access deny sites_proibidos
http_access deny downloads_proibidos
http_access allow all

# NETWORK OPTIONS
# —————————————————————————–

# MEMORY CACHE OPTIONS
# —————————————————————————–
#Default:
cache_mem 256 MB

#Default:
maximum_object_size_in_memory 512 KB

# DISK CACHE OPTIONS
# —————————————————————————–
# Uncomment and adjust the following to add a disk cache directory.
cache_dir ufs /var/spool/squid3 100 16 256

# OPTIONS FOR TUNING THE CACHE
# —————————————————————————–

# Add any of your own refresh_pattern entries above these.
#
refresh_pattern ^ftp:        1440    20%    10080
refresh_pattern ^gopher:    1440    0%    1440
refresh_pattern -i (/cgi-bin/|\?) 0    0%    0
refresh_pattern .        0    20%    4320

Script squid Ubuntu e Kali Linux

Resultado de imagem para squid3

http_port 3128
visible_hostname srv01
error_directory /usr/share/squid/errors/pt-br

acl SSL_ports port 443
acl Safe_ports port 80        # http
acl Safe_ports port 21        # ftp
acl Safe_ports port 443        # https
acl Safe_ports port 70        # gopher
acl Safe_ports port 210        # wais
acl Safe_ports port 1025-65535    # unregistered ports
acl Safe_ports port 280        # http-mgmt
acl Safe_ports port 488        # gss-http
acl Safe_ports port 591        # filemaker
acl Safe_ports port 777        # multiling http
acl CONNECT method CONNECT

# ACLS
acl bloquear-sites url_regex -i “/etc/squid/lista-sites”

# CONTROLE DE ACESSO
http_access deny bloquear-sites
http_access allow all

# NETWORK OPTIONS
# —————————————————————————–

# Squid normally listens to port 3128
http_port 3128

# MEMORY CACHE OPTIONS
# —————————————————————————–
#Default:
cache_mem 256 MB

#Default:
maximum_object_size_in_memory 512 KB

# DISK CACHE OPTIONS
# —————————————————————————–
# Uncomment and adjust the following to add a disk cache directory.
cache_dir ufs /var/spool/squid 100 16 256

# OPTIONS FOR TUNING THE CACHE
# —————————————————————————–

# Add any of your own refresh_pattern entries above these.
#
refresh_pattern ^ftp:        1440    20%    10080
refresh_pattern ^gopher:    1440    0%    1440
refresh_pattern -i (/cgi-bin/|\?) 0    0%    0
refresh_pattern .        0    20%    4320

Antes de Executar o script não esquecer de criar o arquivos lista-sites em /etc/squid3/ onde em lista-sites você colocara os sites onde vai bloquear.

Download (DOCX, 15KB)

Observação: Para cada linux que existe a um tipo diferente de script então não adianta utilizar o mesmo script tem que ser criado o script e testado na versão que você estiver utilizando

REVISÃO LINUX ADMINISTRAÇÃO 2016

Resultado de imagem para linux administração

1) O QUE É O DEBIAN

Sistema operacional gratuito ou open sorce utilizado como sistema cliente para acesso a interne, trabalhos de escola, empresa e diversão também utilizado como servidor de empresa se instalados alguns serviços como web, banco de dados, impressão, arquivo, dns, dhcp, squid, ftp e e-mail.

2) PORQUE É IMPORTANTE TER DUAS PLACAS DE REDES EM UM SERVIDOR?

E importante, pois uma das placas de rede estará ligada no modem diretamente e a outra ligada em um switch onde será distribuído as informações para os computadores da rede o servidor vai servir como filtro de informações pois ele estará instalado um serviço de firewall e squid limitando o acesso a internet na questão de busca de sites indevidos.

3) ONDE SE LOCALIZA O REPOSITÓRIO DE SITES DO SERVIDOR? E PARA QUE SERVE?

Digite no terminal do debian CD  /  CD  ETC , CD  APT , MCEDIT SOURCES.LIST

Sorces.list e um arquivo onde você coloca os sites para atualizar o debian e instalar programas

4) COMO ADCIONAR UM USUARIO NO MODO-TEXTO DO LINUX ?

Adduser + Nome do Usuario

ou

Useradd + Nome do Usuario

Exemplo

useradd nome do usuario

useradd nome do usuario -d /home/nome do usuario -m

passwd nome do usuario

5) QUAL A DIFERENÇA DO ADDUSER E DO USERADD ?

Adduser cria a pasta home do usuário

useradd tem que criar a pasta home do usuário

6) COMO FAZER COM QUE UM USUÁRIO TENHA PRIVILEGIO DE ROOT(Administrador) ?

Modificar o arquivo sudoers comentando a linha root

Colocar o usuário no grupo sudo e root

7) COMO REMOVER UM USUÁRIO NO MODO-TEXTO DO LINUX ?

userdell e nome do usuário

8) O QUE ACONTECE AO DIGITAR OS SEGUINTES COMANDOS ?

#GROUPADD HARDWARE Criando o grupo hardware

#USERADD PROFESSOR Adicionando o usuário professor

#USERADD/PROVAS PROFESSOR Adicionando o usuário e define o grupo

9) COMO INSTALAR UM PROGRAMA DO WINDOWS NO LINUX?

Ultilizando o programa wine onde ele consegue instalar programas .exe

10) QUAL COMANDO DEVO USAR PARA QUE O ARQUIVO “TESTE” TENHA ACESSO TOTAL PARA DONO ACESSO SOMENTE LEITURA PARA GRUPO E SEM ACESSO PARA OUTRO ?

CHMOD 740 teste (Modo Absoluto)

CHMOD  U+RWX G=R O-RWX Teste (Modo Simbolico)

11) O QUE FAZ O COMANDO CHMOD U=R G-RWX O-RWX ARQUIVO ?

Da permissão para usuário somente ler arquivo de texto, o grupo não pode fazer nada, outros não pode fazer nada

DONO = somente leitura

Grupo e Outros = Sem Acesso

12) QUAL ARQUIVO ALTERAR E COMO ALTERAR PARA QUE O USUÁRIO “PROFESSOR” SEJA SUSPENSO DO SISTEMA SEM SER REMOVIDO COMPLETAMENTE ?

comentar (#) a linha referente ao usuário no arquivo PASSWD na pasta ETC

13) QUAL COMANDO USO PARA ALTERAR A SENHA DE UM USUÁRIO ?

passwd <nome do usuário>

14) O QUE É GID UID E PID ?

PID  – Process Identification

GID – Grupo Identification

UID – User Identification

15) QUAL COMANDO USO PARA MUDAR UM USUÁRIO DE GRUPO ?

gpasswd – a (usuário) (grupo)

16) QUAL COMANDO USO PARA VERIFICAR AS PERMISSÕES DOS ARQUIVOS DE UM DIRETÓRIO ?

LS-L

17) O QUE É WEBMIN? E COMO FAÇO PARA INSTALAR WEBMIN?

Interface gráfica para gerenciamento do servidor Linux Debian. Para instalar o webmin primeiro tem que ir ate o site do webmin pegar o link do site do repositório para colocar sources.list atualizar o Linux apt-get update colocar gpg key (serial webmin) e instalar o webmin

18) COMO FAZ PARA INICIAR O WEBMIN PELO NAVEGADOR DO LINUX?

Abra um navegador de internet na barra de endereço digite https://127.0.0.1:10000 ira pedir o usuário root e a senha do root

19) O QUE É SERVIDOR FTP?

O servidor FTP é um computador no qual permite através deste serviço o acesso os arquivos e pastas atráves de usuários de uma rede local ou remota.

20) QUAL É A DIFERENÇA ENTRE SERVIDOR FTP DE ACESSO LIVRE E ACESSO PARTICULAR?

Servidor FTP de acesso particular e utilizados por empresas onde não querem que seus dados não seja acessados por pessoas sem autorização já o FTP de acesso livre e utilizados por instituições de ensino para que seus alunos acessem os arquivos da escola na sua casa.

21) QUAL É O NOME DO PACOTE DE INSTALAÇÃO DO SERVIDOR FTP?

proftpd

22) COMO SE CHAMA O ARQUIVO DE CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR FTP DO LINUX?

Proftpd.conf

23) O QUE É SERVIDOR DE WEB?

Este tipo de servidor oferece serviços de rede e internet através de diretórios compartilhados na rede para desenvolvimento de paginas da web.

24) APÓS A INSTALAÇÃO DOS PACOTES DO SERVIDOR DE WEB COMO SABER SE O MESMO ESTA FUNCIONANDO?

Abrir o navegador de internet ir ate a barra de endereço e digitar http://127.0.1.1

25) QUAL DIRETÓRIO DE GRAVAÇÃO DE ARQUIVOS DO SERVIDOR WEB DO LINUX?

cd /, cd var, cd www, cd html depende da versão do Linux.

26) O QUE É PHP?

E um serviço que e instalado no servidor debian que serve para ler a programação php da pagina da internet.

27) O QUE É UM SERVIDOR PROXY?

O servidor proxy squid possui uma serie de serviços que impedem o usuário acessar a sites não permitidos pela empresa ou instituição de ensino.

28) A ONDE FICA LOCALIZADO O ARQUIVO DE CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR PROXY SQUID?

cd / cd etc, cd squid, mcedit squid.conf

29) PARA QUE SERVE A LINHA DE COMANDO HTTP_PORT 3128?

A linha de comando http_port 3128 permite configurar o modo que desejamos usar o servidor proxy.

30) PARA QUE SERVE A LINHA DE COMANDO CACHE_MEM 8 MB?

A linha a seguir serve para ativar o cache do servidor proxy.

31) O QUE SÃO ACL’S?

ACL vêm do termo (Access Control List) lista de controle de acesso, serve para determinar o controle de acesso a sites e outros serviços da internet.

32) QUAL COMANDO PARA VERIFICAR SE O SCRIPT DO SQUID ESTA FUNCIONANDO?

squid –k reconfigure

33) PARA QUE SERVE UM SERVIDOR DE E-MAIL?

Servidor de e-mail serve para gerenciar as contas de e-mail adquiridas quando se compra um domínio de internet e automaticamente se tem direito a contas de e-mail com nome de domínio adquirida

Exemplo

Dominio: www.cloudwebtech.com.br

E-mail: diegomilani@cloudwebtech.com.br

34) O QUE É SENDMAIS?

E um serviço de correio eletrônico no qual gerencia provedores de e-mail, através deste serviço configurar as contas de e-mail e gerenciá-las sem complexidade.

35) O QUE É POSTFIX?

Assim como o Sendmail o Postfix é um servidor de e-mail, no qual, gerencia as contas de e-mails usando um provedor.

36) QUAL E A DIFERENÇA ENTRE SENDMAIL E O POSTFIX?

O Sendmail a configuração e mais complexa e ficou parado no tempo pois possui recursos antigos já o postfix a configuração e mais fácil e é atualizado constantemente pela equipe de desenvolvedores do postfix.

37) DESCREVA PARA QUE SERVE OS ITENS A SEGUIR DURANTE A INSTALAÇÃO DO POSTFIX:

A) SEM CONFIGURAÇÃO

Esta opção os Postfix irá instalar apenas os pacotes.

B) SITE INTERNET

Esta opção o Postfix criara um servidor de e-mail no qual você precisará de um provedor de e-mail.

C) APENAS LOCAL

Esta opção o Postfix ira instalar todos os recursos, mas não será utilizado na rede.

38) O QUE É UM SERVIDOR DNS?

O Servidor DNS e utilizado para ingressar as maquinas da rede a um domínio traduzindo o ip servidor em nome exemplo

192.168.0.1 em maxinfotech.sbc

39) O QUE SIGNIFICA A SIGLA DNS?

A sigla DNS significa Domain Name System ou sistema de nome de domínio.

40) QUAL É A PRINCIPAL FUNÇÃO DO SERVIDOR DNS?

Resolver os nomes de endereço da rede

41) QUAL É O NOME DO ARQUIVO DE CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR DNS DO LINUX?

named.conf

42) PARA QUE SERVE A OPÇÃO ZONE?

Determina o nome do seu domínio

43) PARA QUE SERVE OPÇÃO TYPE MÁSTER?

Tipo de zona máster ou slave escravo.

44) PARA QUE SERVE A OPÇÃO FILE?

Essa linha é o diretório de configuração do seu domínio

45) O QUE É UM SERVIDOR DHCP?

E um serviço DHCP e utilizado para criar um escopo de ips fixo e dinâmico sendo que o ip fixo e direcionado a hardwares que necessitam de ips que não vão ser modificados já o dinâmico atribui ips automaticamente a cada host

46) O QUE SIGNIFICA A SIGLA DHCP?

Dynamic Host Configuration Protocol (Protocolo de configuração dinâmica de host)

47) O QUE É ESCOPO?

É um pequeno intervalo de endereços de rede, por exemplo 192.168.0.100 a 192.168.0.130

48) O QUE É INTERVALO DE EXCLUSÃO?

É um intervalo no qual você pode excluir os endereços no qual não serão usados na rede, ou endereços que deseja “excluir” para ser usados em outros dispositos como impressoras em rede, por exemplo.

49) O QUE É RANGE?

É o ip inicial e o ip final de uma rede classe a,b ou c

50)QUAL PASTA EU UTILIZO PARA INICIALIZAR UM SERVIÇO NO LINUX DEBIAN?

cd / cd etc, cd init.d

Software Cisco Packet Tracer 6.2.0

Resultado de imagem para cisco packet tracer student 6.2

Google Drive

https://drive.google.com/open?id=0B-4d4tU5vjx-S090UlRXcEJuMnM

Microsoft One Drive

https://1drv.ms/u/s!Ar1Ai6giKVDplh553VoC9JRe9VFO

Ultima Versão sem ter acesso de login e senha no site da cisco para acessar o cisco packet tracer

Para ter a versão mais atualizada do software tem que entrar em https://www.netacad.com/pt/ criar o cadastro e fazer download da nova versão do cisco packet tracer

 

 

Campeonato de Games Microcamp 2016

Papel de Parede Campeonato 2016

E ai Galerinha Blz

No dia 24/06 (Sexta Feira) a partir das 15:00 horas teremos na escola o evento de games com campeonato e jogos aleatórios a escolha.

Para participar dos campeonatos ou jogos avulsos o aluno deve comparecer com um amigo não aluno na recepção da escola até o dia 22/06 para que possa validar a inscrição. ATENÇÃO AS VAGAS SÃO LIMITADAS!!!

Você que não é aluno também esta convidado, é só comparecer na Microcamp São Bernardo do Campo na Av. Imperador Pedro II, 131 – Nova Petrópolis.

A PARTICIPAÇÃO NO EVENTO DE GAMES E GRATUITA.

Segue o mapa abaixo mostrando como chegar na microcamp são bernardo do campo

 

Maquina Virtual (Hipervisor)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre

Um hipervisor, ou monitor de máquina virtual, é uma plataforma que permite aplicar diversas técnicas de controle devirtualização para utilizar, ao mesmo tempo, diferentes sistemas operativos (sem modificar ou modificá-los em caso deparavirtualização) no mesmo computador. É uma extensão de termo anterior, «supervisor», que se aplicava aos kernelsdos sistemas operativos.

História

Os hipervisores foram originalmente lançado no inicio da década de 1970 quando, para reduzir custos, se consolidavam vários computadores destacadas a diferentes departamentos da empresa em uma única máquina mas grande —omainframe— capaz de servir a múltiplos setores. Ao correr múltiplos sistemas operativos de uma vez, o hipervisor permite uma consolidação dando robustez e estabilidade ao sistema; ainda que um dos sistemas operativos colapsa, os outros continuarão trabalhando sem falhas.

O primeiro computador desenhado especificamente para a virtualização foi o mainframe IBM S/360 Modelo 67. Esta característica de virtualização é considerado uma norma da linha que seguiu IBM S/370 e suas sucessoras, incluindo a série atual.

A necessidade de consolidar os diferentes servidores de hoje e de uma administração simplificada têm feito renovar o interesse na tecnologia de hipervisores. A imensa maioria de vendedores de sistemas Unix, incluindo Sun Microsystems,HP, IBM e SGI têm estado vendendo hardware virtualizado desde a década de 2000. Estes sistemas são eficientes mas extremamente onerosos.

Um dos primeiros hipervisores de PC foi lançado no meio da década de 1990, e se chamou Vmware. A arquitetura x86usada na grande maioria dos sistemas de PC é particularmente difícil de virtualizar (Virtualização x86). Mas as grandes companhias, como AMD e Intel, estão incorporando extensões que redirecionarão as partes ineficientes ou deficientes de virtualização de x86, proporcionando um apoio adicional ao hipervisor. Este permite um código simples de virtualização e um maior rendimento para uma virtualização completa.

Tipos

Os hipervisores podem classificar-se em dois tipos:[1]

  • Hipervisor tipo 1: Também denominado nativo, unhosted o bare metal (sobre o metal nu), é software que se executa diretamente sobre o hardware, para oferecer a funcionalidade descrita.

Hipervisor - Primer nivel.svg

Alguns dos hipervisores tipo 1 mais conhecidos são as seguintes: VMware ESXi (grátis), VMware ESX (Software comercial), Xen (livre), Citrix XenServer (grátis), Microsoft Hyper-V Server (grátis).

  • Hipervisor tipo 2: Também denominado hosted, é software que se executa sobre um sistema operativo para oferecer a funcionalidade descrita.

Hipervisor - Segundo nivel.svg

Alguns dos hipervisores tipo 2 mais utilizados são os seguintes: Oracle: VirtualBox (grátis), VirtualBox OSE (livre), VMware: Workstation (comercial), Server (grátis), Player (grátis), QEMU (livre), oVirt (livre), Microsoft: Virtual PC, Virtual Server.

VirtualBox

por TECHTUDO em 02/12/2015 16h34

O VirtualBox é um programa em português de virtualização da Oracle que permite instalar e executar diferentes sistemas operacionais em um único computador sem complicações. Com ele, o usuário pode executar o Linux dentro do Windows 7, o Windows dentro do Mac, o Mac dentro do Windows e até mesmo todos os sistema suportados dentro de um. Você também pode instalar o Android em outras máquinas. Faça o download de VirtualBox e experimente!

A única limitação para as combinações são a sua criatividade e o hardware de seu computador. Ele basicamente pode ser instalado no Windows, Linux (Ubuntu), Soláris e Mac. Depois de instalar o software em qualquer um desses sistemas operacionais, o usuário pode instalar outros dentro dele, criando uma máquina virtual para cada um.

Com os sistemas instalados, é possível executá-los individualmente e até mesmo todos ao mesmo tempo, dependendo da capacidade do equipamento. A nova versão do VirtualBox inclui o suporte aos dispositivos multitouch. Além disso, ele oferece uma nova ferramenta de captura de vídeo e possibilita fazer videoconferências utilizando uma máquina virtual.

Microsoft Virtual PC

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Microsoft Virtual PC 2007, da Microsoft, é um programa que emula um computador dentro do seu Windows. Assim sendo, em uma janela será possível abrir outro sistema operacional, como Windows, Linux, MS-DOS, e até criar um HD virtual, que será um arquivo salvo dentro da partição de seu Windows mesmo, podendo ser formatado com qualquer sistema de arquivos, sem interferir no sistema real. Resumindo, é possível usar um sistema FAT32, ReiserFS etc., dentro de um HD formatado em NTFS, por exemplo. O Virtual PC é muito útil para empresas, testes de vírus, aprendizado e para rodar sistemas antigos.

Assim sendo o usuário pode rodar Sistemas operacionais distintos e conectá-los através de um dispositivo de rede virtual que o instalador disponibiliza dentro de Painel de Controle -> Conexões de Rede (no caso de Sistemas Microsoft). O Virtual PC permite ainda capturar ISO’s de Instaladores de Sistemas Operacionais, rodá-las na forma de uma unidade de CD-ROM também virtual, instalar o S.O. a partir da ISO e, depois de instalado, ainda personalizar o S.O. realizando mais instalações de softwares de terceiros, o que facilita por exemplo verificar a migração de aplicações entre plataformas sem precisar de um segundo computador físico.

VMware Player

Da Wikipédia, a enciclopédia livre

 VMware Workstation Jogador , anteriormente VMware Player , é um pacote de software de virtualização para x64 computadores comMicrosoft Windows ou Linux , fornecido gratuitamente pela VMware, Inc. , [3] uma empresa que antigamente era uma divisão de, e cujo accionista maioritário permanece EMC corporação . VMware Player pode executar existente dispositivos virtuais e criar suas própriasmáquinas virtuais (que requerem um sistema operacional a ser instalado para ser funcional). Ele usa o mesmo núcleo de virtualização como o VMware Workstation , um programa semelhante com mais recursos, mas não gratuitamente. VMware Player está disponível para uso pessoal e não comercial, ou para distribuição ou outro uso por acordo escrito. [4] VMware, Inc. não apoiar formalmente Player, mas não é um site de comunidade para discutir e resolver problemas, [5] e uma base de conhecimento . [6]

A VMware Player gratuitamente era distinta da VMware Workstation até v7 Player, v11 Workstation. Em 2015 os dois pacotes foram combinados como VMware Workstation 12, com um livre para a versão não-comercial uso Player, que, na compra de um código de licença, se tornou o maior especificação VMware Workstation Pro

VMware Workstation

Da Wikipédia, a enciclopédia livre

VMware Workstation é um hospedado hypervisor que é executado emx64 versões dos sistemas operacionais Windows e Linux [4] (um x86versão do versões anteriores estava disponível); [3] que permite aos usuários configurar máquinas virtuais (VMs) em uma única máquina física e utilizá-los simultaneamente, juntamente com a máquina real.Cada máquina virtual pode executar seu próprio sistema operacional , incluindo versões do Microsoft Windows , Linux , BSD e MS-DOS .VMware Workstation é desenvolvido e vendido pela VMware, Inc. , uma divisão da EMC Corporation . Uma licença de sistemas operacionais é necessário para utilizar os proprietários, como o Windows. Pronto-a-Linux VMs criados para fins diferentes estão disponíveis.

VMware Workstation suporta ponte de acolhimento existentesadaptadores de rede e partilha física unidades de disco e USBdispositivos com uma máquina virtual. Pode simular unidades de disco;uma imagem ISO arquivo pode ser montado como um virtual unidade de disco óptico , virtuais e discos rígidos são implementados como.vmdk arquivos.

VMware Workstation Pro pode salvar o estado de uma máquina virtual (um “instantâneo”) a qualquer instante. Esses instantâneos podem mais tarde ser restaurado, efetivamente retornar a máquina virtual para o estado salvo, [5] como era e livre de qualquer dano pós-instantâneo para o VM.

VMware Workstation inclui a capacidade de designar várias máquinas virtuais como uma equipe que pode então ser ligado, desligado, suspenso ou retomado como um objeto único, útil para testar ambientes cliente-servidor.

Houve um livre VMware Player distinta da estação de trabalho, com a funcionalidade semelhante, mas reduzido, até v7 VMware Player, v11 Workstation. Em 2015 os dois pacotes foram combinados como VMware Workstation 12, com um livre VMware Workstation Jogadorversão que, na compra de um código de licença, se tornou o maior especificação VMware Workstation Pro . [6] VMware Player Workstation, como VMware Player [7] antes -lo, é gratuito para uso não-comercial, ou para distribuição ou outro uso por acordo escrito. [8](Workstation Pro também está disponível para download por um período de teste gratuito, e é facilmente confundido com o restricted–tempo ilimitado versão funcionalidade.)

Em janeiro 2016 toda a equipe de desenvolvimento por trás VMWare Workstation e Fusão foi dissolvida e todos os desenvolvedores norte-americanos foram imediatamente demitidos. [9] [10] [11] [12] A empresa disse que “as atividades de reestruturação não terá impacto sobre a existência de qualquer corrente linhas de produtos “, que” os papéis e responsabilidades associadas a determinadas empresas serão transferidos para outras regiões e escritórios “, e que o investimento seria continuar” com ênfase em nossos produtos de crescimento “. O futuro da Workstation e Fusion é incerto. Versões VMware Workstation 12.0.0, 12.0.1 e 12.1.0 foram liberados em intervalos de cerca de dois meses em 2015; a partir de abril 2016 há mais versões tinha sido liberado. [8]

VMware ESXi

O VMware ESXi™ é um hypervisor bare-metal líder do setor e criado com um propósito definido. O ESXi é instalado diretamente no servidor físico, permitindo que ele seja dividido em vários servidores lógicos chamados de máquinas virtuais.

Os clientes podem usar o ESXi gratuitamente com o vSphere Hypervisor ou como parte da edição paga do vSphere.

Recursos do vSphere ESXi Hypervisor

Confiabilidade e segurança aprimoradas

A funcionalidade de gerenciamento do hypervisor bare-metal ESXi está incorporado no VMkernel, reduzindo a área de cobertura em 150 MB. Isso proporciona uma superfície de ataque muito pequena a malwares e ameaças através da rede, aumentando a confiabilidade e a segurança.

Implantação e configuração simplificadas

Com poucas opções de ajuste e implementação e configuração simples, a arquitetura do ESXi torna fácil a manutenção de uma infraestrutura virtual consistente.

Redução nas despesas gerais de gerenciamento

O vSphere ESXi usa uma abordagem sem agente para monitorar o hardware e gerenciar o sistema com um modelo de integração de parceiros baseado em API. As tarefas de gerenciamento estão em linhas de comando remotas com o vSphere Command Line Interface (vCLI) e Power CLI, que usa cmdlets e scripts do Windows PowerShell para gerenciamento automatizado.

Aplicação e atualização de patches simplificadas

Um número menor de patches significa uma redução das janelas de manutenção e menos janelas de manutenção programadas.

Detalhes técnicos

Aprimoramento da segurança

Aprimoramento de acesso e controle baseados em função elimina a dependência de uma conta raiz compartilhada. Os usuários e grupos podem receber todos os privilégios administrativos. Não há necessidade de compartilhar o acesso ou a conta de usuário a fim de executar tarefas administrativas.

Registro em logs e auditoria estendida

O vSphere ESXi registra a atividade de todos os usuários tanto no Shell como na interface de usuário de console direto em sua conta. Esse registro em logs garante a responsabilidade dos usuários e facilita a auditoria das atividades dos usuários.

vMotion

A migração em tempo real do VMware vSphere® permite transferir uma máquina virtual inteira de um servidor físico para outro, sem tempo de inatividade. Os clientes podem migrar máquinas virtuais ativas entre clusters, switches distribuídos, vCenters e por longas distâncias com até 100 ms de RTT.

Para saber mais, visite:
http://www.vmware.com/products/vsphere/features/vmotion.html

Recursos de máquina virtual

As máquinas virtuais executadas no vSphere ESXi têm suporte para os seguintes recursos e funcionalidades:

  • As máquinas virtuais são compatíveis com até 128 CPUs virtuais.
  • As máquinas virtuais são compatíveis com até 4 TB de RAM.
  • Novo controlador xHCI é compatível com dispositivos USB 3.0.
  • A nova interface avançada de controle de host (AHCI, New Advanced Host Controller Interface) dá suporte a até 120 dispositivos por máquina virtual.
  • O tamanho máximo de VMDK é 62 TB.
  • A Recuperação de armazenamento de sistema operacional guest retorna o espaço em disco ao pool de armazenamento quando é retirado de um sistema operacional guest.
  • Aprimore a virtualização CPU ao expor mais informações sobre a arquitetura da CPU de host para máquinas virtuais. Esse aprimoramento na exposição de CPU possibilita uma melhora na depuração, nos ajustes e na solução de problemas de sistemas operacionais e aplicativos na máquina virtual.
  • Aumento da eficiência da CPU por meio do suporte a LRO (Large Receive Offload) que agrega pacotes TCP de entrada a um único pacote maior.
Integração com Active Directory

Você também pode ingressar nos hosts do vSphere ESXi em seu domínio Active Directory. Após ser adicionado, o Active Directory cuida da autenticação de usuários e elimina a necessidade de criar contas de usuários locais em cada host.

Gerenciamento e configuração centralizados de imagens de hosts por meio do Auto Deploy

Ao combinar os recursos de Host Profiles, Image Builder e PXE, o VMware vSphere® Auto Deploy™ simplifica a instalação e o upgrade de hosts. A biblioteca do Auto Deploy armazena centralmente todas as imagens de hosts do vSphere. Os administradores podem aprovisionar automaticamente novos hosts com base em regras definidas pelo usuário e as reconstruções de host são tão simples quando uma reinicialização.

Firewall independente

O vSphere ESXi contém um firewall orientado por serviços e independente, que você pode configurar usando o vSphere Client ou na linha de comando do ESXCLI. O mecanismo do firewall permite que os administradores definam regras de portas para serviços. Além disso, você pode especificar intervalos de IP ou endereços IP individuais que podem conectar a serviços de host.

– See more at: http://www.vmware.com/br/products/esxi-and-esx/overview#sthash.6pK0uOZY.dpuf

Citrix XenServer

Xen (pronuncia-se Zêin) é um software livre de virtualização para as arquiteturas x86, x86-64, IA-32, IA-64 e PowerPC. Xen permite a execução de vários sistemas operacionais, simultaneamente, sobre um mesmo hardware. Versões modificadas de Linux e NetBSD podem ser usadas como base. Diversos sistemas Unix modificados podem ser executados. Desde a versão 3.0, o Microsoft Windows e outros sistemas operacionais podem ser executados sobre o Xen.

Xen foi originalmente desenvolvido como um projeto de pesquisa naUniversidade de Cambridge, liderado por Ian Pratt, fundador daXenSource, Inc. Em 15 de agosto de 2007, a XenSource foi adquirida pela Citrix System Inc. pelo valor de 500 milhões de dólares. A Citrix agora suporta o desenvolvimento do projeto open source e vende também uma versão “empresarial” do software. O primeiro lançamento público do Xen foi disponibilizado em 2003.

Hyper-V

Da Wikipédia, a enciclopédia livre

A função Hyper-V no Windows Server 2008 e Windows Server 2008 R2 provê a infraestrutura de software e as ferramentas de gerenciamento básico que você pode utilizar para criar e gerenciar um ambiente de virtualização de servidores.

O Hyper-V é uma tecnologia de virtualização baseada em Hypervisor. O Hypervisor é a plataforma de processamento de virtualização que permite que multiplos Sistemas Operacionais compartilhem uma única plataforma de hardware. A pilha de Virtualização é executada com a partição pai e tem acesso direto aos dispositivos de hardware. A partição pai cria partições filho, que hospedam os Sistemas Operacionais convidados.

Após a instalação inicial do Windows Server 2008 R2, o sistema operacional pode acessar o hardware do servidor diretamente. Depois de adicionar a função Hyper-V, uma fina camada de hypervisor é acrescentada entre o sistema operacional e os recursos de hardware. O sistema operacional instalado no momento torna-se a partição pai de onde você pode criar e gerenciar partições filho. As partições filho não tem acesso direto aos outros recursos de hardware e uma visão virtual dos recursos é apresentada, como dispositivos virtuais.

Drivers na partição pai são usados para acessar o hardware do servidor. Partições filho usam dispositivos virtualizados através dos drivers do Servidor Virtual Cliente (Virtual Server Client – VSC), que se comunicam através do Barramento de Máquina Virtual (Virtual Machine Bus – VMBus) com os Provedores de Serviços Virtuais (Virtual Services Providers – VSP) na partição pai. Requisições para os dispositivos virtuais são redirecionadas tanto através do VMBus ou através do hypervisor para os dispositivos na partição pai.

O VMBus gerencia os pedidos. O VMBus é um canal de comunicação lógico inter-partição. A partição pai hospeda os VSPs, que se comunicam sobre o VMBus para lidar com solicitações de dispositivo de acesso a partir das partições filho. As partições filho hospedam VSCs, que redirecionam solicitações de dispositivos para VSPs na partição pai através do VMBus.

7 VERSÕES ANTIGAS DO WINDOWS E MAC OS QUE VOCÊ PODE TESTAR ONLINE

Aproveitamos o fim de semana para desenterrar alguns sistemas operacionais que foram a base para alguns dos nossos sistemas atuais e mostraremos agora aqui para vocês. A essência pouco mudou, tanto no Windows como no Mac, e graças a alguns programadores (destacados em uma lista publicada por ArsTechnica), os temos de volta para testar suas características emuladas em versões online.

WINDOWS 1.0 (Não Funciona)

Windows 1.0

256 Kb de memória RAM, 10 Mb de disco rígido e uma velocidade de 4.77Mhz são os recursos destinados para que funcione perfeitamente o primeiro Windows lançado em 1985. Vale notar que a essência dos aplicativos se manteve ainda 30 anos depois, de resto, surpreende o avanço de aplicativos como Paint, o bloco de notas, a calculadora e Write, o ancestral de MS Word.

MAC OS SYSTEM 7 (Funciona)

Mac OS System 7

 

Uma das primeiras versões de Mac OS (1991) funcionando na memorável Macintosh Plus (1986) que a muitos traz a inesquecível imagem de Steve Jobs responsável pela sua promoção. O emulador está feito com JavaScript e permite testar velhos aplicativos dentro da flamante interface que começava a mostrar a qualidade nos detalhes da Apple.

WINDOWS 3.1 (Não Funciona)

Windows 3.1

Uma poderosa reconstituição do Windows 3.1 com sua flamante interface de janelas gigantes, aplicativos coloridos (bloco de notas, calculadora, o navegador, etc.) e menus para tudo. AJAX, PHP, JavaScript e XHTML 1.0, são os recursos usados por Michael Vincent para devolver-lhe a vida.

MAC OS 8.6 (Funciona)

Mac OS 8.6

Em VirtualDesktop é destacada mais de uma dezena de sistemas operacionais antigos, entre eles, Mac OS 8.6, uma das últimas versões lançadas antes de OS X, o sistema atual. Apesar do pouco que permite executar o emulador, é interessante ver sua compatibilidade com o software da Microsoft e uma primeira tentativa de contar com um dock para facilitar o acesso aos aplicativos.

WINDOWS 95 (Funciona)

Windows 95

Um nostálgico encontro com o que para muitos foi seu primeiro sistema operacional graças à grande cobertura a nível mundial. Aqui nasce o botão de INÍCIO e a barra de tarefas, ambos presentes até o dia de hoje (tanto deu certo o primeiro que acabaram recebendo milhares de pedidos de sua volta no Windows 8.1 logo depois de ter sido eliminado na prévia versão, Windows 8).

OS X 10.2 (Funciona)

OS X 10.2

OS X 10.2 “Jaguar” também está disponível em sua versão web graças a VIrtualDesktop. Faz 11 anos foi lançado esse sistema, porém, se nota sua semelhança com as atuais versões de OS X, de resto, surpreende a qualidade gráfica do explorador e o resto das janelas, os ícones, as fontes, os menus e o dock. O emulador é limitado, porém, gera o desejo de virtualizar o OS por conta própria.

WINDOWS XP

windows xp

Finalmente, o fiel XP que resiste a morrer em boa parte dos equipamentos de todo o mundo (30% apróx. segundo dados de NetMarketShare.com), também conta com sua própria versão online na qual será possível testar seu explorador, seus menus e um ou outro aplicativo. Em VirtualDesktop também permitem visualizar algumas versões, porém, em Temulator estarão disponíveis mais funções, assim como a possibilidade de revisar outros velhos conhecidos: Windows ME, 2000, 98 e Vista.

Lista com outros emuladores

Windows:  95, 98 , Me, NT, 2000, Xp

Apple: Macintosh OS 8.6, Macintosh OS 9.2, Macintosh OS X 10.2, Macintosh OS X 10.4

Clique no link abaixo para ver os emuladores

http://www.virtualdesktop.org/complete/index.html

Artigo: Denise Helena

Site: http://br.wwwhatsnew.com/2014/02/7-versoes-antigas-do-windows-e-mac-os-que-voce-pode-testar-online/